Amigos da ABRAPA

 

ABRAPA

Associação Brasileira de Problemas de Aprendizagem

"Em termos sociais - especificamente - buscamos contribuir, através do desenvolvimento cognitivo, para uma autêntica "redistribuição da inteligência". Busca-se a distribuição dos recursos intelectuais, pré-requisitos para qualquer ascensão social. O baixo nível de desenvolvimento cognitivo das crianças oriundas de camadas carentes da sociedade as coloca numa posição de franca impotência frente a competição que hoje dela se exige. O pré-requisito para se eliminarem - ou pelo menos reduzirem - as diferenças entre as classes sociais não seria, em nosso entender, econômico e sim cognitivo, por ser este o determinante efetivo das transformações e da produtividade em qualquer nível. Espera-se, portanto, que estas novas técnicas, além de beneficiarem todas as crianças, possam promover um desenvolvimento cognitivo mais acentuado em crianças carentes, compensando as limitações de recursos informacionais dos seus ambientes."

Franco Lo Presti Seminério

O Centro de Informação das Nações Unidas (UNIC Rio), em parceria com a ABRAPA e o NCE-LABASE-UFRJ, implementaram a 10 plataformas de apoio a decisão em Educação, através da prestação de serviços, capacitação de profissionais e incentivo à pesquisa.

Em termos práticos, organizou-se dez plataformas computadorizadas que reúnen recursos psicopedagógicos desenvolvidos e propostos por pesquisadores e especialistas reconhecidos, para trabalhar com crianças e adolescentes em idade escolar, estimulando o seu desenvolvimento, ao mesmo tempo em que promovemos o trabalho das Nações Unidas.

As platafomas possibilitam o acesso direto de milhares de crianças a softwares educativos inovadores, fundamentados nas Ciências da Cognição, Metacognição e nas Neurociências, dentro de uma visão de desenvolvimento social inclusivo.

A ABRAPA é uma ONG cuja missão é promover projetos de atendimento e pesquisa para promover competências cognitivas em crianças e adolescentes em idade escolar. Demanda que aborda, aplicando o ferramental da ciência lúdica, ou seja, 10.000 jogos que provocam a metacognição, nas áreas da representação, imaginário, lógica, linguagem, percepção, memória, atenção, funções executivas, desenvolvimento moral, alfabetização, letramento, matemática, conhecimentos gerais e contrução do sujeito epistêmico. Costruídos sob o modelo teórico de Franco Lo Presti Seminério, embasado em Flavell, Shimamura, Piaget , Bandura, Bruner,Vygotsky, Luria e Chomsky.

A ABRAPA atua há dez anos atendendo a demanda de crianças com problemas de aprendizagem, deficiências, vítimas de violência ou abandono, moradoras das comunidades e dos abrigos da prefeitura, encaminhadas pela Justiça, ou trazidas pelas famílias. Este atendimento é viabilizado pela união de interesses que se convergem em torno das necessidades destas crianças e dos pesquisadores e estágiarios. As crianças e, eventualmente, suas famílias, que necessitam de avaliação e intervenção, são atendidas por alunos dos cursos de psicologia, educação, fonoaudiologia, educação artística, letras, informática, serviço social e direito. Estes estagiários tem a importante oportunidade de expandir a experiência acadêmica, experimentando a realidade particular destas populações . Os profissionais, podem ter mais acesso a informações sobre metodologias, técnicas, instrumentos, materiais, e pesquisadores podem ter prontamente, bancos de dados com resultados já coletados, estruturados para serem analisados e interpretados, sob a ótica do conhecimento científico interdisciplinar. A Justiça dispõe de um recurso, que foi muito utilizado até a atual gestão da 1ª Vara de Infância e Família, que pode ajudá-la a decidir e atuar simultaneamente no diagnóstico, encaminhamento e atendimento de crianças em situações de risco que exijam intervenção legal.

Os resultados humanos da ABRAPA incluem:
  • O atendimento gratuito à 10.000 crianças em situação de risco, tanto em abrigos da Prefeitura quanto em suas unidades próprias, caso das crianças trazidas espontaneamente por suas famílias ou encaminhadas pela Justiça.
  • O atendimento pago à 3.000 crianças com capacidade financeira, em suas unidades próprias.
  • A participação na formação de 700 estagiários, 70 por ano em psicologia, educação, fonoaudiologia, educação artística, letras, informática, serviço social e direito.
  • Engajamento de 200 pesquisadores de 20 instituições (UFRJ, UERJ, FIOCRUZ, IFF, PUC-RJ, SME, SEE, INES, IBC, FUNLAR, NCE e outras).
  • Capacitação de 200 profissionais em cursos de formação.
  • 100 palestras (Congressos, seminários, eventos, aulas especiais, participação em cursos de especialização e mestrado).

Seus esforços e resultados foram reconhecidos:

  • Pela ONU - UNIC-RIO (Centro de Informação das Nações Unidas), que chancelou todas as atividades técnico-científicas, sociais, e de formação profissional da ABRAPA.
  • Pela outorga do Prêmio FUNLAR 2001 da Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro.
  • Por Furnas e pela Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro, que patrocinaram a aquisição de todos os equipamentos.
  • Pelo convênio com o NCE - Núcleo de Computação Eletrônica da UFRJ que viabilizou o desenvolvimento de 10 plataformas integradas de prestação de serviços, capacitação profissional e pesquisa.
  • Pelo trabalho em conjunto com o INES (Instituto Nacional de Educação de Surdos) no desenvolvimento do NEUROLAB ( Laboratório de Neuropsicologia Cognitiva e Neurociências para crianças surdas).
  • Pelo trabalho em conjunto com o IBC (Instituto Benjamin Constant) no desenvolvimento do NEUROLAB ( Laboratório de Neuropsicologia Cognitiva e Neurociências - para crianças deficientes visuais).
  • Pelo trabalho em conjunto com a SME - Secretaria Municipal de Educação para o desenvolvimento de pesquisas com crianças do ensino fundamental.
  • Pelo trabalho em conjunto com a FIOCRUZ - IFF (Instituto Fernandes Figueira) - Lboratório de Neurofiosiologia Clínica - em pesquisas em neuropsicologia com crianças vítimas de violência.
  • Pelo trabalho em conjunto com a UERJ - CCS - Centro de Ciências Sociais - em pesquisas em direito especial da criança e do adolescente.
  • Pelo trabalho em conjunto com a PUC RJ , na orientação de alunos de pesquisa em graduação e mestrado.
Este instrumento informatizado tem a proposta de servir de referência no planejamento das ações de profissionais e na articulação dessas práticas , principalmente no setor de Educação, estendendo-se à Saúde, Assistência Social e Justiça. Para isto, verificou-se a validade de protocolos de avaliação, testes recomendados ou construídos por especialistas de áreas diversas, que selecionaram um grupo específico de provas, atividades e questões, organizadas para observar e medir o grau e tipo de habilidades, competências e déficits cognitivo-lingüísticos, co-relacionados com as alterações neuropsicológicas , identificadas através de games inteligentes.

Os jogos existentes surgiram de formas variadas em sua apresentação, indo desde simples folhas impressas ( reconhecimento de padrões) à artefatos elaborados (madeira, tecido) de marcante beleza plástica (jogo ilustrados por artistas) e funcionalidade física (design industrial) demandas que variaram desde o canal de linguagem (visio-motor e áudio-fonético), nível semiótico da tarefa (significantes e significados), até as funções cognitivas (atenção, memória, lógica...). De maneira geral, todos os jogos dispõe de protocolos específicos de aplicação e crivos de correção para a análise quantitativa e qualitativa das respostas. Estes protocolos incluem instruções, regras, algorítimos, metodologias de aplicação e análise de dados para a elaboração de planos de avaliação e intervenção psicopedagógica e neuro-cognitiva precisos.

A seleção objetiva desses itens permite a construção de um sistema integrado esses planos de avaliação, com a finalidade restrita de combinar observações que se complementam para criar uma base de resultados que geram informações emergentes e revelam informações ocultas. Esta base funciona como uma engrenagem de matrizes superpostas que confirmam-se e validam-se umas às outras, passíveis de serem tratadas estatística e heurísticamente. Estes dados são reveladores no estudo de populações de crianças e adolescentes, apontado diretamente para a necessidade da criação de novas metodologias educacionais no interior das escolas, dos serviços e nas universidades, mais adequadas á complexidade do tema.

A plataforma também envolve, para fins de intervenção psico-educativa, as salas metacognitivas, que se constituem de diversos módulos de jogos computadorizados abrangendo basicamente o desenvolvimento de áreas fundamentais da cognição, a representação, o imaginário, a lógica, a linguagem, a percepção, a memória, a atenção, as funções executivas, desenvolvimento moral, incluindo áreas de ensino fundamental, tais como, alfabetização, o letramento, matemática e conhecimentos gerais. Em princípio é prevista a inclusão de qualquer área de ensino.

O fundamento principal do trabalho da ABRAPA está nos estudos da metacognição, área onde o cientista e teórico Franco Lo Presti Seminério, que foi professor emérito da UFRJ desenvolveu e publicou inúmeras pesquisas. Os jogos da ABRAPA se baseiam neste imenso trabalho deixado como herança em usufruto para todas as crianças. Pesquisadores da ABRAPA, do NCE, e de outras instituições, já possuem resultados de avaliações e programas de intervenção realizados através de diversos jogos metacognitivos, grupados do conjunto de atividades relacionadas à metacognição introduzidas pela ABRAPA.

A natureza de uma avaliação feita pela metodologia da ABRAPA é distinta daquela obtida através em testes psicológicos convencionais porque afere a competência metacognitiva ou a capacidade de aprender a aprender. Entendemos que esta distinção pode ser o diferencial para a construção de um novo paradigma da Educação.

Este trabalho apóia-se na legislação nacional e internacional para construir meios de acesso ao desenvolvimento cognitivo-lingüístico de crianças e adolescentes através da ludicidade e da informática.

À medida em que o plano de expansão e divulgação aqui proposto possa se viabilizar e se estender a todo o sistema escolar, espera-se obter uma efetiva melhora qualitativa no ensino graças às técnicas criadas e validadas a partir dessa plataforma e ao uso sistematizado da metacognição na Educação, paralelamente a uma maior equiparação cognitiva, fonte de redução das distâncias sociais.